Moedas digitais não vão adiante porque economia já está digitalizada

Economia


Por Eduardo Laguna
e Francisco
Carlos de Assis

17/9/2020 - São Paulo (AE) - O ex-presidente do Banco Central (BC) Arminio Fraga disse ontem que as moedas virtuais, como o bitcoin, não devem provocar uma grande mudança da política monetária praticada pelos bancos centrais.
Segundo Arminio, num mundo que já é digital, o estoque de moedas perdeu importância para os bancos centrais, que operam mais em cima das taxas de juros.
“Acho que não vai mudar muito, não. A política monetária tem seus limites. Hoje os bancos centrais viraram ‘resolvedores’ de todos os problemas. Na verdade não são, mas, de fato, têm muito poder, e esse poder seguirá sendo exercido com seus grandes benefícios e também com riscos”, afirmou Arminio Fraga durante live sobre sistema financeiro promovida pelo Instituto Propague.
“Acho que os bancos centrais precisam fazer o seu trabalho mais ou menos como sempre, adaptados à tecnologia atual. A moeda digital já chegou”, complementou o ex-presidente do BC, que considera as moedas virtuais como um fenômeno abraçado por hiperliberais que não querem nada que seja supervisionado pelo governo.
Ele acrescentou ainda que as criptomoedas podem até funcionar para transferências, dada a sua tecnologia, mas são instáveis, não são baratas e não têm valor de compra.

Sua notícia

Esta área é destinada para o leitor enviar as suas notícias e para que possamos inserí-las em nosso portal. Afim, da população ter informações precisas e atualizadas sobre os mais variados assunto

Envie a sua notícia por e-mail:

Todas as notícias

publicidade