Financiamento: Caio diz que parte do dinheiro vai para a renovação da frota

Política


O prefeito Caio Aoqui voltou a defender a realização de um empréstimo de R$ 18 milhões junto à Caixa Econômica Federal, por meio do programa Finisa (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento). Projeto nesse sentido já foi encaminhado para a Câmara Municipal, onde tramita. A expectativa é que o assunto seja deliberado na próxima segunda-feira. “A pressa não é nossa, mas existe um limite de crédito, que está se esgotando. Não podemos esperar”, disse.
Caio Aoqui explicou que o custo de manutenção da frota municipal é muito alto, não é de hoje. Foram feitas algumas compras na gestão de Waldemir Lopes e duas máquinas e dois caminhões pelo então prefeito Manoel Gaaspar. Hoje, a prefeitura gasta mais de R$ 2 milhões por ano para manter a frota atual, que está totalmente sucateada.
A reportagem do DIÁRIO teve acesso a um relatório sobre a frota municipal, que já tem boa parte abandonada no Almoxarifado Municipal, por absoluta falta de condição de uso. “Muita gente sabe que tem acontecido de ônibus quebrarem, de ambulâncias apresentarem problemas e que muitas viaturas não chegam ao seu destino. O serviço público precisa ser eficiente, para atender bem os interesses do cidadão, que não pode correr qualquer risco. Nem de chegar atrasado em seus compromissos, se é uma viatura oficial que vai fazer a condução”, argumentou.
O chefe do Executivo tupãense lembrou que máquinas novas rendem mais e são mais seguras e eficientes para operar. “Também, não apresentam praticamente nenhum custo de manutenção. O mesmo acontece com um veículo. Você tem uma ambulância que vai conduzir um paciente para Jaú, por exemplo, que tem horário marcado para ser atendido. O veículo zero não vai atrasar, todos viajarão mais seguros, haverá economia de combustível e não haverá manutenção”, observou.
Sobre o valor do finan-ciamento, Caio Aoqui explicou que já foi realizado um levantamento, sendo totalmente compatível, considerando o tempo para o ressarcimento e os prazos. “Somente a economia a ser conseguida já vai pagar o valor financiado. O melhor, porém, é que teremos maior eficiência administrativa, sob todos os pontos de vista”, observou.
Aoqui deixou claro que a Prefeitura de Tupã não tem condições hoje de realizar um investimento desse nível. Por isso, vem tentando manter essas “sucatas” em operação, gastando uma fortuna por mês, porque não tinha outra alternativa. “Um empréstimo a juro baixo e longo prazo, é tudo o que o município precisava para renovar sua frota de máquinas e caminhões”, enfatizou.

Sucatas

Para que se tenha uma ideia, entre os maquinários a prefeitura conta com uma motoniveladora Huber Warco 10DM ano 1972 e outra 1975; uma pá-carregadeira Case W-20, ano 1979; uma retroescadeira Maxion, ano 1995; um rolo compactador Dynapac, ano 1982; uma pá carregadeira Fiat Allis FR12, ano 1986, e duas motoniveladoras 130, ano 78. Apenas para citar algumas máquinas.

Já entre os caminhões, a situação não é muito diferente. O modelo mais antigo é um caminhão tanque, ano 1970. Tem ainda um Mercedes Benz 1112, carroceria, ano 1972, vários caminhões carrocerias fabricados nos anos 70.

Sua notícia

Esta área é destinada para o leitor enviar as suas notícias e para que possamos inserí-las em nosso portal. Afim, da população ter informações precisas e atualizadas sobre os mais variados assunto

Envie a sua notícia por e-mail:

Todas as notícias

publicidade