Esperar demais

Geral


(*) Roberto Kawasaki

1/6/2020 - Grande parte da sociedade parece achar que já passamos do pico da pandemia da Covid-19, por isso propõe e espera o afrouxamento das medidas de distanciamento exigidas pelas autoridades públicas. Será mesmo que passamos do pico? Com as estruturas da saúde pública saturadas, naquelas localidades em que ocorreram explosão de infectados, e outras nem tanto, em locais em que a pandemia ainda não chegou, muitas são as dúvidas e incertezas. De outro modo, a economia brasileira apresenta sintomas claros de que se exauriu. Em decorrência dessa insofismável realidade, o setor público também está no limite: não há recursos financeiros que permitam meios de subsidiar os gastos públicos direcionados ao combate da pandemia, durante muito tempo. Sem que se retome o ritmo normal das atividades econômicas, o Brasil caminhará ao precipício inevitavelmente. O que fazer ?
Dúvidas cercam todos nós. Infelizmente, as informações e dados disponíveis são insuficientes para auxiliar as tomadas de decisões estratégicas. Nunca na história da humanidade houve em época de globalização, tamanho impasse.
De qualquer forma, o Brasil necessita se preparar para o mundo competitivo pós-pandemia. Urge criar um ambiente político estável, equilibrado e sereno. Onde o diálogo seja norma. Esperar isso do presidente Bolsonaro parece surreal. Caso contrário, jamais atrairemos investidores internacionais para propiciar crescimento econômico e social, pois simplesmente retomar as atividades econômicas será insuficiente para atender as enormes demandas que explodiram com a pandemia da Covid-19. Ou será que alguém acredita que iremos crescer mais de 1% ao ano, nas conjunturas atuais do Brasil ? Obviamente que não.
Assim, nos resta acelerar reformas econômicas, nas áreas fiscais, financeiras, logística, bem como educacionais, científicas, ambientais, diplomáticas e de saúde pública. Com isso, se adquire condições mínimas de perspectivas de futuro da economia brasileira. Contudo, embora sejam condições necessárias, não são suficientes.
O Brasil precisa atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos do mundo: biotecnologia, internet das coisas, energia solar, energia elétrica, preservação ambiental, nanotecnologia, internet 5G, etc.
Em outros tempos, governantes como Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek e Ernesto Geisel, fizeram e, muito bem, ao efetivar a industrialização brasileira e sua sustentação. Mas isso foi em outros tempos. Quando tínhamos políticos humildes, qualificados e preparados. De governantes como Figueiredo, Sarney, Collor, Itamar, Fernando Henrique, Lula, Dilma, Temer e Bolsonaro é esperar demais.

(*) Roberto Kawasaki é economista pela FEA-USP,
professor dos cursos de Administração,
Sistemas de Informação, Arquitetura e Urbanismo,
Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Engenharia de Produção da Faccat e articulista do DIÁRIO

Sua notícia

Esta área é destinada para o leitor enviar as suas notícias e para que possamos inserí-las em nosso portal. Afim, da população ter informações precisas e atualizadas sobre os mais variados assunto

Envie a sua notícia por e-mail:

Todas as notícias

publicidade